segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

(Resenha) Quem é Você Alasca - John Green


Título: Quem é Você Alasca?
Autor: John Green
Editora: WMF Martins Fontes (A minha versão é desta editora)
Páginas: 230



Sinopse: Miles Halter é um adolescente fissurado por célebres últimas palavras – e está cansado de sua vidinha segura e sem graça em casa. Vai para uma nova escola à procura daquilo que o poeta François Rabelais, quando estava à beira da morte, chamou de o “Grande Talvez”. Muita coisa o aguarda em Culver Creek, inclusive Alasca Young. Inteligente, espirituosa, problemática e extremamente sensual, Alasca levará Miles para o seu labirinto e catapultará em direção ao “Grande Talvez”.

Resenha:

Mais um livro que li já sabendo do final, ou pelo menos, o final de um dos personagens.

Apesar de ter lido sabendo que um personagem batia as botas, não fiquei menos curiosa em saber e comprovar uma teoria que pairava sobre este livro, que é “A única coisa que John Green escreveu de bom foi A Culpa das Estrelas”.

Olha, este é o segundo livro que leio do autor e posso dizer que, novamente, o povo não entendeu o espírito da coisa.

Existem várias resenhas reclamando de duas coisas: (1)  O título do livro, que é uma pergunta e que chegamos ao final do livro sem ter a resposta de...“Quem é Você Alasca?”. (2) A outra reclamação é a respeito do quão fútil são os personagens, apenas bolando trotes, bebendo, fumando e dando uns pegas.

Agora vou fazer uma autópsia do livro:

John Green é conhecido pelos seus livros voltados para o público jovem (com idades entre 15 a 24 anos) e se você decide escrever para essa faixa etária, deve escrever sobre seu mundo e suas angústias. Posso ter 34 anos, mas ainda me lembro quando era adolescente. Não fui uma adolescente fútil. Afinal, com uma mãe cega e doente, não dava tempo para futilidades. Mas lembro das minhas amigas e colegas de classe.

O banheiro das meninas, na hora do intervalo, parecia uma estrada na neblina. Completamente nublada pela fumaça dos cigarros. O corredor ao lado da sala de limpeza era o motel dos alunos. Se você não quisesse ver gente fazendo coisas, escorados na parede, era essencial evitar tal área. E não vou esquecer, quando os moleques do 1º ano F, colocara laxante nos refrigerantes e mandaram metade da escola para o banheiro. Enfim, se John Green retrata adolescentes fúteis, não é muito diferente do que fomos ou somos. Sim, porque os adultos com idades entre 20 ou 24 adoram fingir que foram adolescente cabeça. O que na verdade é pouco provável.

Por essa razão, amei Miles e sua turma. Os personagens foram bem construídos e retratam bem a fase da adolescência. Suas mudanças de humor, rebeldia, idiotice e drama.

“Quem é você Alasca?”, essa com certeza é uma pergunta pertinente. E agora eu pergunto, olhe bem para o seu melhor amigo e me diga quem é ele? Aposto que você não sabe todos os segredos que povoam a mente louca e doentia do seu melhor amigo.
Existem várias certezas na vida, e uma delas é que “Nunca conhecemos aqueles que vivem ao nosso lado”. Posso afirmar isso com convicção. Só não vou dar exemplos, porque vou entrar no campo pessoal e muito pessoal, e prefiro não colocar isso num blog.

Eu gostei muito de “A Culpa é das Estrelas”, mas “Quem é Você Alasca?” conseguiu me conquistar, e se tivesse que escolher entre os dois livros, ficaria com o segundo. O autor trata novamente de um assunto que nos assusta: a morte, e que infelizmente, um dia vamos ter que enfrentar. Sempre quando perdemos um ente querido nos perguntamos “E se eu tivesse feito isso ou aquilo? Talvez fulano ainda estaria aqui.” E por mais que nos questionamos, a verdade é que não importa o que tivéssemos feito, a hora de fulano chegaria. Hoje, amanhã. Não importa, ela viria de qualquer jeito. E muitas vezes as pessoas que amamos nos deixam com promessas. Do tipo “Enquanto você telefona para casa, vou cochilar um pouco. Depois voltamos a conversar”. Essas foram as últimas palavras que a minha mãe me disse antes de morrer.

Acho que sou um pouco parecida com o Miles.


(Resenha) As Aventuras do Caça-Feitiço - A Maldição - Joseph Delaney



Título: As Aventuras do Caça-Feitiço - A Maldição Livro II
Autor: Joseph Delaney
Editora: Bertrand Brasil
Páginas: 288



Sinopse: O Caça-Feitiço e seu aprendiz viajaram a Priestown para tratar de um assunto pendente. Nas catacumbas da catedral está a criatura diabólica que o Caça-Feitiço não conseguiu derrotar, chamam-na de Flagelo.
Quando Thomas Ward e seu mestre se preparam para a maior batalha de suas vidas, fica evidente que o Flagelo não é seu único inimigo no Condado. O Inquisidor acabou de chegar a procura daqueles que lidam com as trevas. Será que eles conseguirão sobreviver ao horror que está a caminho?

Resenha:

Depois de várias semanas sem uma resenha, tenho uma, ou melhor, duas. Mas vamos a primeira.

Já falei aqui várias vezes, mas não custa voltar a falar... Eu adoro livros de fantasia.

“A Maldição” segundo volume de As Aventuras do Caça-Feitiço traz novas aventuras e mais ação. O primeiro livro é bacana, amei demais, mas devo admitir que este está melhor escrito e mais macabro. Talvez essa seja a fórmula do autor. Soltar os mistérios e desafios aos poucos.

O Caça-Feitiço e seu aprendiz Thomas Ward vão até Priestown resolver um problema antigo. Problema este, deixado pelo próprio Caça-Feitiço – O Flagelo, que é um tipo de divindade/demônio que está aterrorizando a cidade.

Como se não bastasse tal desafio, também temos O Inquisidor, que está doido para queimar bruxas e feiticeiros. E quem é seu principal alvo: O Caça-Feitiço, é claro.

Novamente acompanhamos neste livro a dura tarefa de ser um aprendiz, e Thomas parece cada vez mais enrolado e desobediente. É claro que perdoamos o moleque, já que descobrimos que seu Mestre não foi tão santo no passado e que também cometeu erros terríveis.

O destaque fica para duas personagens, que no primeiro livro ficaram meio como coadjuvantes: A mãe de Thomas, que esconde segredos interessantes. Espero descobrir mais coisas nos próximos volumes. E Alice, a amiga encrenqueira e bruxa. Também é outro personagem que deixou muitos detalhes soltos.


Agora vou falar da adaptação do livro para a telona:

Pra quem não sabe o 1º livro da série foi adaptada para o cinema. Porém, devo avisar que foi uma verdadeira adaptação. O protagonista, que no livro tem 13 anos, no filme já é um adulto. E o filme parece ter muito mais ação, que o livro.

“O Sétimo Filho” será lançado em Março aqui no Brasil. E parece que lá fora teve um sucesso modesto. Não sei ao certo. Outro dia tentei me informar a respeito de bilheteria e não consegui muita coisa. 
Acredito que o filme realmente chegará aos cinemas daqui. Afinal, é uma produção da Legendary em parceria com a Universal Studios.


A data prevista de lançamento é: 12/03/2015

Trailer




sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

A pergunta que não quer calar... Hermione existe?

Mais um post diferente aqui no blog. Se você que visita o meu blog, também me segue pelas redes sociais, já deve ter visto que eu sempre posto fotos dos meus cães. Alguns devem até achar que sou doente.

Tenho quatro cães. Isso mesmo... Quatro. E todos eles têm nomes peculiares. Vamos começar pela mais velha ao caçula.

Primeiro vem a Pitty, que recebeu esse nome em homenagem a cantora Pitty. Ela tem nove anos e é uma senhora de respeito.
Pitty foi abandonada no jardim de casa. Num domingo de manhã. Adora brincar com bola. Sua obsessão é tão grande, que não dá para passear com ela na rua, pois se aparecer uma bola diante dela, a doida sai correndo.


Algumas fotos.

 

A segunda é a Amy, que é filha da Pitty, que só teve filhotes porque um cachorro pulou o nosso muro. Depois de tal ocorrido, fomos obrigados a castrar todos os cães. Amy recebeu esse nome em homenagem a Amy Lee, vocalista da banda Evanescence.
De todos os meus cães, ela é a única que fica quieta para tirar fotos. E ao contrário dos outros, não curte brincar com bola. O negócio dela é ficar deitada no meio do quintal tomando sol.


Algumas fotos para mostrar o quão fotogênica ela é.


A terceira é a Hermione, e foi por causa dela que fiz este post.
Muitos duvidam que ela exista, ou até mesmo que seu nome seja este. Porém, é verdade. Eu tenho uma cachorrinha chamada Hermione. E acho que nem preciso dizer de onde saiu a inspiração para o nome.
Hermione foi adotada após a morte da Patty. Nós estávamos tristes e quando soubemos que havia filhotes para adoção, minha sobrinha foi lá e trouxe uma bolinha de pelo marrom, que parecia um ursinho de pelúcia. Pena que nós demos banho e a alimentamos depois da meia-noite. Deixou de ser uma coisa fofinha e meiga e virou um gremlin.

Hermione é terrível.  Mordeu tanto a Pitty, que a coitada tem cicatrizes na perna, orelha e focinho. Às vezes até digo que deveria trocar seu nome para Bellatrix, porque a bendita é o verdadeiro demônio. É a campeã em fugas, é a primeira a ficar suja. Não sei como consegue ficar com o pelo gosmento no mesmo dia que tomou banho. Ah! E quando ela me vê dormindo, adora enfiar o focinho na minha boca. Isso quando não pula na minha cama e morde a minha orelha.

Mas apesar de todo o trabalho que ela dá, é a única que não faz coco ou xixi dentro de casa.
Hermione tem um nome tão poderoso, que até conseguiu chamar a atenção de uma pessoa... é... interessante.
Um belo dia eu compartilhei uma foto dela no twitter e algumas horas depois recebi um tweet de volta. Um tweet, que a princípio achei que fosse uma miragem, ilusão de ótica ou loucura mesmo. Eu sigo o cidadão, mas o cara não me segue. Não sei como achou meu tweet. Apenas sei que por breves dez minutos me senti importante. E tudo graças a Hermione. Detalhe... O cara amou o nome da cachorra. Talvez seja cômico, sei lá.

Fiquem com algumas fotos. Ah! E a primeira foto foi a do tweet.

  

E por último, mas não menos importante está o Max. O nosso caçula canino.
Max também foi abandonado no quintal de casa e é o mais bobão e meigo de todos. É só você chamá-lo de felpudo, que ele sai abanando o rabo e deita diante dos seus pés para ganhar carinho. Ele tem medo de pipa e gato. Adora uma bolinha e caçar gelo no pote de água. Quando está muito calor, a água da torneira sai muito quente e por isso coloco umas pedras de gelo na água dos cachorros. O problema é que o Max come todas.


Algumas fotos.

 

Acho que agora ficou provado que minha loucura pelos meus cães  chegou a um nível extremo.

Adoro os meus felpudos. Eles alegram a casa e nos fazem rir. É claro que às vezes nos deixam loucos, derrubando vasos de plantas, virando a lata de lixo, mordendo uns aos outros, ou se escondendo da veterinária, quando é dia de consulta. Sim, meus cachorros têm suas vacinas em dia.  Ah, e eles têm até cama de madeira.  É. Podem nos chamar de desocupados. Afinal, meu irmão, cunhada e sobrinhas também cuidam dos bichos. 

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Almas Vol. II


Olá! Depois de vários dias com o blog parado hoje trago um post especial. Vou mostrar o que anda me mantendo afastada do blog.

Atualmente estou trabalhando na revisão e diagramação de Almas Vol. II.  O livro já está escrito e agora é preciso lapidá-lo. E essa, na minha opinião, é a parte mais chata de um livro. Criar a trama, seus personagens e até fazer pesquisa é café com leite perto disso.

Você revisa e revisa, e chega um momento que fica enjoado de tanto ver aquilo. Dá vontade até de jogar o PC pela janela.

Enfim, o livro está ficando bacana. Acho que consegui me superar. Ao menos acho que sim. Afinal, deixei uma das minhas leitoras beta de cabelo em pé. Como ela mesma disse “Você tem problema”. Como se eu não soubesse disso.

Quem curtiu o primeiro livro e o achou leve, pode ter certeza, o leve ficou para trás. Gostaria de dizer mais, mas aí seria spoiler.

Vou deixá-los com a sinopse, capa. Não é a completa, tive um problema com o PC e vou ficar devendo. Também vou deixar um quote, algumas imagens da diagramação e a playlist do livro. Algumas músicas que me ajudaram a escrever este segundo volume e que até se encaixam na trama e com alguns personagens.

Quote:


Sinopse:

Após vender a alma para salvar a vida de sua amiga, Susan acredita que o Coletor cumprirá com a promessa de mantê-la em segurança. Porém, uma invasão a sua casa e um ataque, a fazem pensar que talvez há coisas piores a caminho. Afinal, o Coletor não é o culpado pela compra de sua alma.

Quem poderia ser o responsável? Quem é o demônio que invadiu sua casa? E o que ele poderia querer?

Com apenas seis meses e dez dias de vida, Susan decide se unir a última pessoa em quem confiaria – Noah – e que a cada segundo a deixa mais e mais confusa.

Enquanto Noah promete procurar por respostas, Susan parte em busca da única coisa que pode ajudá-la... As lembranças da alma. Só assim ela poderá descobrir quem realmente é e por que Noah e Thomas estão sempre a rondá-la?

Capa: 


Uma Prévia da Diagramação:



Almas Vol. II -  Playlist



O lançamento está marcado para março. Isso só não vai acontecer se o PC quebrar ou no dia da publicação a internet cair.