segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

(Resenha) Quem é Você Alasca - John Green


Título: Quem é Você Alasca?
Autor: John Green
Editora: WMF Martins Fontes (A minha versão é desta editora)
Páginas: 230



Sinopse: Miles Halter é um adolescente fissurado por célebres últimas palavras – e está cansado de sua vidinha segura e sem graça em casa. Vai para uma nova escola à procura daquilo que o poeta François Rabelais, quando estava à beira da morte, chamou de o “Grande Talvez”. Muita coisa o aguarda em Culver Creek, inclusive Alasca Young. Inteligente, espirituosa, problemática e extremamente sensual, Alasca levará Miles para o seu labirinto e catapultará em direção ao “Grande Talvez”.

Resenha:

Mais um livro que li já sabendo do final, ou pelo menos, o final de um dos personagens.

Apesar de ter lido sabendo que um personagem batia as botas, não fiquei menos curiosa em saber e comprovar uma teoria que pairava sobre este livro, que é “A única coisa que John Green escreveu de bom foi A Culpa das Estrelas”.

Olha, este é o segundo livro que leio do autor e posso dizer que, novamente, o povo não entendeu o espírito da coisa.

Existem várias resenhas reclamando de duas coisas: (1)  O título do livro, que é uma pergunta e que chegamos ao final do livro sem ter a resposta de...“Quem é Você Alasca?”. (2) A outra reclamação é a respeito do quão fútil são os personagens, apenas bolando trotes, bebendo, fumando e dando uns pegas.

Agora vou fazer uma autópsia do livro:

John Green é conhecido pelos seus livros voltados para o público jovem (com idades entre 15 a 24 anos) e se você decide escrever para essa faixa etária, deve escrever sobre seu mundo e suas angústias. Posso ter 34 anos, mas ainda me lembro quando era adolescente. Não fui uma adolescente fútil. Afinal, com uma mãe cega e doente, não dava tempo para futilidades. Mas lembro das minhas amigas e colegas de classe.

O banheiro das meninas, na hora do intervalo, parecia uma estrada na neblina. Completamente nublada pela fumaça dos cigarros. O corredor ao lado da sala de limpeza era o motel dos alunos. Se você não quisesse ver gente fazendo coisas, escorados na parede, era essencial evitar tal área. E não vou esquecer, quando os moleques do 1º ano F, colocara laxante nos refrigerantes e mandaram metade da escola para o banheiro. Enfim, se John Green retrata adolescentes fúteis, não é muito diferente do que fomos ou somos. Sim, porque os adultos com idades entre 20 ou 24 adoram fingir que foram adolescente cabeça. O que na verdade é pouco provável.

Por essa razão, amei Miles e sua turma. Os personagens foram bem construídos e retratam bem a fase da adolescência. Suas mudanças de humor, rebeldia, idiotice e drama.

“Quem é você Alasca?”, essa com certeza é uma pergunta pertinente. E agora eu pergunto, olhe bem para o seu melhor amigo e me diga quem é ele? Aposto que você não sabe todos os segredos que povoam a mente louca e doentia do seu melhor amigo.
Existem várias certezas na vida, e uma delas é que “Nunca conhecemos aqueles que vivem ao nosso lado”. Posso afirmar isso com convicção. Só não vou dar exemplos, porque vou entrar no campo pessoal e muito pessoal, e prefiro não colocar isso num blog.

Eu gostei muito de “A Culpa é das Estrelas”, mas “Quem é Você Alasca?” conseguiu me conquistar, e se tivesse que escolher entre os dois livros, ficaria com o segundo. O autor trata novamente de um assunto que nos assusta: a morte, e que infelizmente, um dia vamos ter que enfrentar. Sempre quando perdemos um ente querido nos perguntamos “E se eu tivesse feito isso ou aquilo? Talvez fulano ainda estaria aqui.” E por mais que nos questionamos, a verdade é que não importa o que tivéssemos feito, a hora de fulano chegaria. Hoje, amanhã. Não importa, ela viria de qualquer jeito. E muitas vezes as pessoas que amamos nos deixam com promessas. Do tipo “Enquanto você telefona para casa, vou cochilar um pouco. Depois voltamos a conversar”. Essas foram as últimas palavras que a minha mãe me disse antes de morrer.

Acho que sou um pouco parecida com o Miles.


Nenhum comentário:

Postar um comentário