Pular para o conteúdo principal

(Resenha) Nos Braços do Predador - Tom Adamz

 



Título: Nos Braços do Predador.

Autor: Tom Adamz.

Páginas: 180.

Editora: Independente.


Sinopse: Reza a lenda que o "Predador" de Lady Bramaum surge sempre que o seu livro escolhe uma mulher: uma donzela que está em perigo eminente e busca por socorro. Graves Wolf, o herdeiro do império do café dos anos oitenta, foi castigado por um arcanjo por conta da sua arrogância e a sua sina, desde então, é seguir preso dentro de um livro, até que o amor o liberte.


O homem de cabelos grandes, belo corpo e olhos acinzentados, cujo ressoar da voz máscula é o suficiente para tremular corações, surge na cozinha de Valentina Duran, completamente nu. De imediato, o "lobão" entende o motivo de estar ali: ela precisa ser protegida.


Valentina luta contra as amarras que a prenderam por toda vida em um relacionamento abusivo. Além das ameaças constantes do ex-marido, ela agora precisa lidar com os sentimentos que o homem dos livros vem despertando no seu coração.


Resenha: Esta é uma resenha e também um pedido de desculpas. Vamos lá… Conheci o trabalho do Tom através de uma antologia de contos chamada “Todas as Cores”, seu conto Caim & Abel me encantou, e por esse motivo passei a stalker o autor, só pra ver quais novidades ele traria a seguir. 


No começo de 2018 (Eu acho), ele lançou o livro “Lúcifer - A História Nunca Contada”, adquiri o livro e como sempre o livro ficou na minha estante esperando pelo momento de ser lido. 


No mês passado comecei a leitura, e aí uma coisa aconteceu… A história não conseguiu me cativar. Confesso que fiquei frustrada, com muito sacrifício cheguei na metade , mas não consegui evoluir daí. Acho que não fui capaz de me apegar aos protagonistas, ou talvez, gostei demais do Balthazar, e os outros personagens perderam a graça. Mas sem problema, um dia vou terminar Lúcifer. 


Como não pude concluir a leitura, e eu prometi uma resenha para o autor, peguei meu kindle e fui caçar outro livro do autor. Cheguei a ler dois capítulos de Balthazar, mas aí troquei por “Nos Braços do Predador”, e logo nas primeiras páginas vi que meu arcanjo favorito estava lá de novo. 


Em “Nos Braços do Predador” conhecemos Valentina, uma mulher que acaba de sair de um relacionamento abusivo, e que ainda é atormentada pela presença do ex-marido, Juca. 


Um dia Valentina vai a inauguração de uma livraria e acaba ganhando da dona o exemplar de um livro chamado “Predador”. Na verdade, o livro acaba aparecendo num passe de mágica na casa de Valentina. Intrigada, a moça começa a leitura, e para a sua surpresa, o protagonista Graves Wolf sai das páginas e passa a existir em carne e osso. 


No início o relacionamento dos dois não é muito amigável. Valentina acha que enlouqueceu, principalmente porque, de acordo com Graves, sua vida corre perigo. 


O livro tem poucas páginas, mas a história está bem entrelaçada, tem boas cenas de comédia, ação e romance. O autor também aborda temas como respeito a natureza e aos animais, sobre violência doméstica e como o dinheiro é capaz de causar injustiças. 


O relacionamento de Graves e Valentina tem vários momentos hilários. Gosto de livros com um toque cômico e debochado, e aliás, debochado deveria ser o nome do meio de Graves Wolf. 





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

(Resenha) Filme - As Palavras

Elenco: Bradley Cooper, Jeremy Irons, Dennis Quaid, Olivia Wilde, Zoë Saldana e Ben Barnes. Ano: 2012 Titulo Original: The Words Sinopse: Rory Jansen (Bradley Cooper) é casado com Dora (Zoe Saldana) e trabalha em uma editora de livros. Ele sonha em publicar seu próprio livro, mas a cada nova tentativa se convence mais de que não é capaz de escrever algo realmente bom. Um dia, em uma pequena loja de antiguidades, ele encontra uma pasta com várias folhas amareladas. Rory começa a ler e logo não consegue tirar a história da cabeça. Logo ele resolve transcrevê-la para o computador, palavra por palavra, e a apresenta como se fosse seu livro. O texto é publicado e Rory se torna um sucesso de vendas. Entretanto, tudo muda quando ele conhece um senhor (Jeremy Irons) que lhe conta a verdade por trás do texto encontrado.
Resenha:
Essa é a primeira resenha de filme que faço, espero que não fique uma titica. Por incrível que pareça, o filme em questão tem tudo a ver com literatura e a vida de cão que u…

(Resenha) Kinshi Na Karada - Josiane Veiga

Sinopse: Japão, 2 Guerra Mundial. Apesar do começo promissor, o exército japonês, um dos mais bem armados e fortes de sua época, viu-se acuado, pronto para a derrota. Na terra do imperador, o medo parecia acompanhar, como um guardião, cada habitante do país. Nas ruas, a Kempeitai - Corpo de Soldados da lei - impunha sua vontade com brutalidade e até a morte.
O Japão iniciava a década de 40 dividido entre a esperança e o medo dos dias vindouros.
Shiromiya Kazue cresceu nas ruas, órfão, acompanhado do irmão que o vendia a troco de arroz. Desde pequeno sua aparência feminina contribuia para que o preço de sua carne fosse o bastante para que ambos pudessem sobreviver aos dias cruéis. Porém, num ambiente em que sobravam pessoas famintas e faltava dinheiro, ser jovem e bonito já não bastava. Foi assim que ele precisou se transformar em mulher.
Ryo era um poderoso comerciante, dono de uma frota de barcos pesqueiros viveu o período turbulento com relativa calma. Comprava a paz que necessitav…

(Resenha) Filme - Amor e Inocência

Título Original: Becoming Jane. Elenco: James Mcavoy, Anne Hathaway, James Cromwell, Julie Walters e Maggie Smith. Diretor: Julian Jarrold Ano: 2007
Resenha:
Adoro um filme biográfico. Alguns são 100% fieis, outros nem tanto. Amor e Inocência é um desses. O filme tenta contar a história da escritora Jane Austen. O que chega a ser estranho, já que a vida da escritora é um grande mistério.
Alguns especialistas nas obras da autora, gostam de afirmar que seu romance “Orgulho e Preconceito”, na verdade seria como uma “autobiografia” e é esse conceito que vemos no filme.
Não significa que o filme não seja bem feito e bacana, até é, mas não deveria ser considerado como biográfico e sim, como um filme fictício. Mas apesar deste pequeno detalhe, o filme tem algo a seu favor. Nele vemos como era difícil para uma mulher se tornar escritora. Aquelas que escolhiam a profissão tinham muitas vezes que usar pseudônimos para ficar no anonimato e não sofrer com o preconceito da época. Já que as mulheres não tin…