sexta-feira, 21 de setembro de 2012

(Resenha) Cinquenta Tons de Cinza - E. L. James

AVISO: Nesta resenha não vou criticar somente a trama, mas também a autora, as leitoras e os resenhistas (Sim, porque têm muitos resenhistas fazendo merda por aí).


Sinopse: Quando Anastasia Steele entrevista o jovem empresário Christian Grey, descobre nele um homem atraente, brilhante e profundamente dominador. Ingênua e inocente, Ana se surpreende ao perceber que, a despeito da enigmática reserva de Grey, está desesperadamente atraída por ele. Incapaz de resistir à beleza discreta, à timidez e ao espírito independente de Ana, Grey admite que também a deseja. 

Resenha: A Trama

Cinquenta Tons de Cinza conta a história de amor entre Anastasia Steele e Christian Grey.
Anastasia tem 21 anos quase 22 e ainda é virgem. Sua vida vira de cabeça para baixo quando a pedido da melhor amiga, vai em seu lugar entrevistar o bilionário Christian Grey para o jornal da universidade.

Logo ao entrar no escritório de Grey, Anastasia beija o chão e por causa de seu jeito chama a atenção de Grey, que é um predador sexual de primeira.

Após o 1º encontro Grey começa a seguir Anastasia despertando nela uma paixão avassaladora. Ela quer romance e sexo, mas Grey não.
Para que Anastasia possa ficar com ele deve ser submeter as suas exigências. Ela deve assinar um contrato onde permita que Grey faça tudo o que quiser com ela. Tornando-a sua submissa e ele o dominador.

Falando assim parece que o livro é grande coisa, mas não é.
Gostaria de dizer que amei o livro, que foi a melhor coisa que já li, mas meu amor próprio e o amor que sinto em por ser mulher me impedem.

Cinquenta Tons de Cinza é uma ofensa as mulheres. E não é por causa das cenas de sexo. sexo é bom, importante e não é sujo. E confesso... Sou à favor de apimentar as coisas, desde que fique entre quatro paredes.

A mulher pode até ser submissa durante o sexo, como um fetiche para agradar o ego do companheiro, mas ser submissa em outros momentos, não.

A mulher não pode ser proibida de ver a família e amigos. Também não pode ser tratada como uma idiota que não sabe se alimentar, Não deve ganhar presentes caros se ela é pobre. Coisas caras dão a impressão que ela está sendo comprada. E principalmente, se a mulher encontrar um homem dominador, deve se afastar dele o mais rápido possível, mesmo que esteja apaixonada. Não se deve amar alguém sem antes amar a si mesma.

Apesar de degradação o livro tem algumas piadas, que até te distraem  no meio de tanta asneira.
Também acho que a autora teve uma ideia legar, mas se atrapalhou na hora da execução.

Ao invés de tentar transformar a história de Steele e Grey no clássico "A menina comum encontrou o príncipe encantado", a autora deveria ter pego a parte Dominado e Submissa e transformá-lo num suspense. Mais ou menos como o filme Dormindo com o Inimigo. Aí teria ficado show.

Critica: Leitoras e Autora.

Vejo muito pelas redes sociais um monte de mulheres enchendo a boca (Na verdade os dedos) ao declarar sua paixão, admiração e de como elas gostariam que Christian Grey fodesse com elas e com força (Como o próprio personagem diz).

Sei que de 100% de suas admiradoras, talvez metade ou mais dizem isso da boca pra fora. Como uma brincadeira.
O problema é que no meio dos 100% tem aquelas que dizem da boca pra dentro. e isso me deprime.
Como alguém pode querer um homem controlador, louco e só porque tem dinheiro acha que pode ser o dono de tudo e de todos.

Mas ai elas dizem... "Ele é lindo, gostoso, perfeito e bom de cama".
Beleza! então agora a razão. o bom senso, o amor próprio e o cérebro ficam entre as pernas?.
Tá, eu sei! É um livro fictício. Mas as chances de encontrarmos um Christian Grey da vida é muito maior do que darmos de cara com um Edward Cullen.
E desde que eu fiz a enquete: Se vampiros existissem, você pediria para ser transformado (a) Se sim, por quê? E 57% disseram sim e todos queriam pela imortalidade, poder e a chance de ficar no topo da cadeia alimentar.
Fiz a enque como base para um tema a ser usado nos meus livros. Pedi para que as respostas fossem honestas, já que elas entrariam num livro que estava escrevendo.
É por isso que eu tenho medo das admiradoras de Christian Grey.

Por causa da fama, a autora E. L. James é sempre entrevistada, criticada por causa de sua obra. E é claro os pontos principais são: As Grey Lovers e a submissão de Anastasia.

Uma pequena declaração da autora:

"Essa história de amor é uma fantasia, não retrata o mundo real, e isso atraí as mulheres. Mas não somos idiotas e sabemos que não é verdade. No fim, o que realmente queremos é alguém que nos ajude a lavar a louça, e não alguém tão controlador como Christian Grey".

Belas palavras, mas falou merda!
Eu entendo a autora. É o trabalho dela, seu filho. E como boa mãe ela quer defendê-lo. O problema é que as vezes o filho é mal criado e a mãe não consegue enxergar ou não quer.

Primeiro: Não é uma história de amor.
Segundo: É fantasia, mas pode acontecer.
Terceiro: Nem todas as mulheres querem o cara  que lava a louça. Porque se isso fosse 100% verdade os homens na literatura não seriam sempre iguais... Lindo, perfeito, bom em tudo que faz, rico, misterioso e perigoso.
Enfim... Tem caroço nesse angu.

Critica: Resenhistas.

Li várias resenhas para Cinquenta Tons de Cinza e em quase todas vi resenhistas falando merda.

O livro não é nacional. Ele é de uma autora inglesa e logo foi escrito em inglês.
Por isso quando um resenhista diz que a linguagem do livro é pobre e tem erros de português devo alertá-lo: Erros de português? Não sabia que ela escreveu o livro na nossa língua. Se há erros é culpa da tradutora.

E se a linguagem é pobre, o resenhista deve especificar se leu a versão em inglês ou traduzida.
Se for a original, culpar a autora e se a traduzida a tradutora.

Resenhistas Acordem!

Já chega! Escrevi demais!
Até!

4 comentários:

  1. Qdo saiu, eu que adoro polemica, fui comprar. Como estava mais caro do que o habitual no submarino, decidi olhar antes o pdf na rede pra ver se não estaria jogando dinheiro fora...
    Li alguns cap e desisti. Mal escrito, mal formulado, livro sem alma, asneira pornografica que posso encontrar em qualquer site idiota por aí.

    Para mim, a unica coisa boa do livro foi o Marcelinho lendo alguns trechos..kkk

    ResponderExcluir
  2. Nossa, eu li ótimas resenhas sobre esse livro, mas pra falar verdade não tive interesse na leitura. Gosto de livros adolescentes, sem cenas pesadas de sexo e violência, acho que não iria gostar desse livro!

    ResponderExcluir
  3. Essa é a resenha. Menina nem sei o que escrever. Eu tinha visto e achei legal, mas depois que li a sinopse e as resenhas vi que tinha algo errado até vi uma reportagem na TV e fiquei é isso esse livro? Tipo não me agrada esse gênero ou seja lá o que e feliz dela que ganha dinheiro com umas pessoas dessas que acham um máximo o livro. Vai para vida real e ver se é bom. Calei me e até...

    ResponderExcluir
  4. Bem, eu li antes do lançamento, consegui um arquivo em PDF do mesmo em inglês e confesso: a Ana é mais louca que o Grey. De boa, sou tarada por controle, eu gostaria de controlar um macho como o imbecil do Grey... kkkkkkkkkkkkk... O fato é único, rebelde do jeito que sou, esse personagem não despertou meu desejo por encontrá-lo um dia na rua... Ou sim... Talvez eu gostasse de brigar para ver quem consegue mandar mais... eu amaria dar umas chibatadas em público nele.
    Concordo plenamente com vc, Cat. Eu não quero um cara que lave a louça, quero um que compre uma máquina e que contrate uma empregada para colocar os pratos nela! kkkkkkkkkk...
    Ok, vou ser honesta, se o cara for bonito, inteligente e uma versão masculina da Ana, pra mim já está bom... kkkkkkkk... Tá, parei com as brincadeiras!
    Falando sério agora, é óbvio que beleza conta no primeiro momento, é o que nos chama a atenção. Como diria Hanibal Lecter, cobiçamos o que vemos, e vemos todos os dias. Porém, não adianta ter a beleza e ter o cérebro de um amendoim. Na real, gostaria de encontrar um homem capaz de me entender, de equilibrar minha insanidade me dando momentos de lucidez quando eu perder o controle, culto, fã de um bom rock, porém, que seja eclético na medida certa, leitor ávido de bons romances e que seja capaz de me amar em segundo lugar. Encontrei um assim, mas tudo o que é bom dura pouco, ele tinha que morrer, né?...
    Mas eu amei mesmo a sua resenha. Vc é sempre muito sincera e corajosa. Parabéns pelas sábias palavras!

    ResponderExcluir