terça-feira, 2 de setembro de 2014

(Resenha) Liberta-me - Tahereh Mafi



Sinopse: Liberta-me é o segundo livro da trilogia de Tahereh Mafi. Se no primeiro, Estilhaça-me, importava garantir a sobrevivência e fugir das atrocidades do Restabelecimento, em Liberta-me é possível sentir toda a sensibilidade e tristeza que emanam do coração da heroína, Juliette. Abandonada à própria sorte, impossibilitada de tocar qualquer ser humano, Juliette vai procurar entender os movimentos de seu coração, a maneira como seus sentimentos se confundem e até onde ela pode realmente ir para ter o controle de sua própria vida. Uma metáfora para a vida de jovens de todas as idades que também enfrentam uma espécie de distopia moderna, em que dúvidas e medos caminham lado a lado com a esperança, o desejo e o amor. A bela escrita de Tahereh Mafi está de volta ainda mais vigorosa e extasiante.

Resenha:

Depois de mais de um mês, o blog é ressuscitado das cinzas. Um pouco dramático, eu sei, mas quase exclui o blog. O tempo anda um pouco curto, tanto que fiquei o mês todo de agosto sem ler livros. Isso mesmo... Não li nada... Nadinha!

As duas resenhas que vou postar hoje são de livros lidos em julho. E a primeira é para o livro Liberta-me da autora Tahereh Mafi.

Pra quem acompanha o blog e leu a resenha que fiz para o primeiro livro da trilogia, sabe que eu estava com um certo receio da continuação. Por causa do triângulo amoroso. E também disse na resenha, que essa formula já deu tudo o que tinha que dar. E eu estava certa.

Não posso negar que a trama, o mundo distopico e alguns personagens criados pela autora são incríveis. Porém, o triângulo amoroso é intragável.

Juliette é um porre. Tudo bem que a garota foi abandonada pelos pais, não pode tocar nas pessoas, mas isso não é desculpa para seu  comportamento “Não quero ferir as pessoas. Sou um monstro” e aí a bendita não faz nada para ajudar os mocinhos, porque precisa ficar de mimimi, e no final o povo se ferra só por causa de suas frescuras e mania de coitadinha.

Os caras que disputam seu coração são dois extremos. Adam é um porre. Tão chato quanto a protagonista. Warner tem personalidade, mas é bom demais para Juliette. O cara deveria dar um pé na bunda da bendita e namorar com o... Kenji, que depois do Warner é o único que presta na trama.

Apesar do trio não me agradar tanto, o resto do livro é muito bom. Há muitas cenas de ação, e a guerra contra o Restabelecimento começa. Também existem algumas revelações interessantes.

Recomendo o livro, mas se você, assim como eu, já está de saco cheio de triângulos amorosos insossos, vai ficar um pouco decepcionada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário