Pular para o conteúdo principal

(Resenha) Redenção - Josiane Veiga


Sinopse:
Quanto tempo alguém pode suportar a dor?

Inseguro e magoado, KazuoNinomura vê seu mundo de aparências desmoronar juntamente com seu casamento. Abalado pela crise em seu relacionamento e por problemas graves de saúde, todo o presente lhe parece negro e incerto.
O que fazer? Desistir e mergulhar em um sofrimento profundo ou lutar pela única coisa que sabe que o tirará da depressão: o amor de Ken Takeshi?

Por sorte, ainda há o amor incondicional dos companheiros de banda, cuja amizadeinabalável é a força de que ele precisa para se reerguer.

Seis anos após “Rendição”, os membros da banda Jishu retornam com suas peculiaridades e personalidades marcantes,embora cada um deles tenha que conviver com seus próprios demônios e dores, enfrentando crises pessoais, amorosas, preconceito e abnegação.

Resenha:


Escrever uma resenha para qualquer livro da Josy é difícil.
Eu fico sempre me perguntando “Por onde começar?”. E é assim que me encontro agora. Encarando  meu caderno de resenhas e pensando.

Chega de bobagens e vamos lá.



“Redenção” se passa seis anos após Ken e Nino assumirem seus sentimentos um pelo outro.


O livro é um belo... Tapa na Cara (Se é que se pode dizer isso) aos românticos bestas, que adoram um... Felizes para Sempre e não querem nem saber se o casalzinho apaixonado tem crises.
É por isso que eu gosto do trabalho da Josy. Ela não tem medo de arriscar e não é hipócrita. Ela mostra o mundo como ele é: Cheio de dificuldades, mas que nunca se deve abater.


Seria muito feio se eu dissesse que detesto o bendito, Felizes Para Sempre?


Todo mundo sabe que todo o relacionamento tem altos e baixos. E que se um casal se ama de verdade deve enfrentar as dificuldades de cabeça erguida. Não preciso nem dizer que o início do livro me irritou.


Ken e Nino estão enfrentando uma crise grave no casamento, mas nenhum dos dois está disposto a parar e ter uma conversa séria. Ken foge para seu barco e Nino se agarra ao trabalho. E cada um deles fica empurrando a culpa um para o outro.


As coisas ficam ainda piores quando Nino é internado e Ken começa a dar corda para um admirador. Tatsumi é um jovem talento da agência e é obcecado por Ken. No começo eu só peguei antipatia por ele. O cara é um mala. Fica o tempo todo tentando melar o relacionamento de Nino e Ken.


Mas minha antipatia virou ódio lá para o final do livro. Se eu pudesse entrar no livro, quebraria uma garrafa de vidro e enfiaria no rabo dele (Desculpa pelas palavras, mas quando vocês lerem o livro vão entender meu ódio).


Outra coisa que me causou ódio foi a mãe do Nino. Oh! Mulherzinha nojenta. O tapa que ela recebeu foi pouco.


Ken e Nino não são os únicos a enfrentar problemas. O outro casal Morita e Shuichi também estão numa maré de azar. Tudo porque a família de Shuichi decidiu que o filho está velho e que já é hora dele encontrar uma esposa com nome e berço.


Os pais encontram uma noiva para ele e ficam empurrando a idiota para o filho. Chamei a garota de idiota, porque ela não percebe que o futuro marido gosta de outra fruta, assim como a família dele.


Agora vou falar sobre os Sakamoto:


Eles são uma família bem estruturada. Os pais criaram seus filhos de forma correta, e acreditam 100% que isso é o suficiente para provar que Nino só é gay porque não teve um bom exemplo.
A família Sakamoto me lembrou outra família que conheci, que se orgulhavam dos filhos porque eles foram criados no amor de Cristo.


Eles eram católicos, viviam na igreja, eram unidos, mas o filho caçula era gay. Quando o rapaz se assumiu, a família ficou sem entender e passaram a pensar que foi castigo de Deus.


Ainda falando dos Sakamoto. Um dos momentos mais incríveis do livro é quando a mãe do Shuichi descobre a verdade sobre o filho.


O único personagem que ficou meio “apagado” no livro foi a Audrey. Eu esperava mais armações por parte dela. Mas acho que em “Remissão” ela vai voltar mais quente do que o fogo do inferno. Como diz o Shuichi “Eu confio naquela mente demoníaca”.

O livro é recheado de intrigas, separações, escolhas difíceis, perdas e deixa um gostinho de quero mais.
E Josy... Por favor, termine de escrever "Remissão" e faça uma baixinha de óculos muito feliz.


PS: Li o livro durante minha tpm e chorei pra caramba.


Comentários

  1. Esse livro deve ser aquele. Entendi sua resenha e seu momento de raiva com alguns personagens, pois quando eu leio eu sindo a mesma coisa. Dá uma vontade ir lá e matar o infeliz você mesma. kkkkkkkkkkk

    Só Josy consegue isso de mim.

    Beijos e adorei a resenha.

    ResponderExcluir
  2. Huahauahaauahauahauaha
    se vc chorou lendo, eu chorei MUITO escrevendo. As cenas iniciais foram baldes e baldes de lágrimas. Depois, qdo "aquele personagem morrer" foram mais baldes e baldes de lágrimas.. hahahaha
    Mas, é exatamente isso. É o livro do depois do Felizes para Sempre.

    Remissão já está no cap 20. Acredito que aqui a uns 2 meses eu termino a obra^^
    Obrigada por sempre me acompanhar amada

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha - Filme: Negação

Título: Negação (Denial)  Elenco: Rachel Weisz, Tom Wilkinson, Timothy Spall e Andrew Scott. Direção: Mick Jackson. Ano: 2016 Sinopse: Deborah Lipstadt é uma conceituada pesquisadora que em seu livro ataca veementemente o historiador David Irving, que prega que o holocausto não existiu e é uma invenção dos judeus para lucrar mais. Julgando-se prejudicado pelo que foi publicado, Irving entra com um processo por difamação contra Deborah. Só que, pelas leis britânicas, em casos do tipo é a ré quem precisa provar a veracidade da acusação. Logo ela se vê em uma disputa judicial que, mais do que envolver dois estudiosos da História, pode colocar em dúvida a morte de milhares de judeus durante a Segunda Guerra Mundial.  Resenha:   Antes de começar a resenha, gostaria de escrever um trecho do filme (Prometo que isso tem um propósito), vamos ao trecho. A Negação do holocausto repousa sobre 4 afirmações básicas. Nº 1 - Que nunca houve qualquer tentativa sistemát

(Resenha) Contando Estrelas - Luciane Rangel

  Título: Contando Estrelas. Autora: Luciane Rangel. Páginas: 264. Editora: Qualis. Sinopse: A ideia de um trabalho voluntário nunca passou pela cabeça de Elisa. Na verdade, era algo que ela jamais faria, não fosse essa uma exigência louca de uma das professoras da escola. O trabalho em dupla poderia ter sido com uma de suas amigas ou com o lindo do Miguel... Mas quis o destino, e o sorteio feito pelas mãos da professora, que o escolhido para ser seu par fosse o aluno novato da turma, um sujeito meio esquisito, calado, e que passava os intervalos das aulas no estranho hobby de dobrar estrelas de papel, como se elas tivessem algum significado. Mal sabia ela que o trabalho realizado em um hospital infantil, junto à companhia do “esquisitão”, fosse acrescentar muito mais à sua vida do que as aulas do colégio. Ele parecia enxergar nas pessoas muito além do que olhos comuns poderiam ver, e suas estrelas pareciam fazer parte de algo maior do que um simples hobby. Algum tipo de missão, um ta

(Resenha) Filme - Meu Nome é Ray

Título: Meu Nome é Ray. Elenco: Elle Fanning, Naomi Watts, Susan Sarandon, Sam Trammel e Linda Emond.  Direção: Gaby Dellal. Ano: 2015. Sinopse: Ray nasceu mulher, mas nunca se identificou com o gênero e se prepara para fazer a cirurgia de redesignação de gênero. Sua mãe Maggie, tenta encontrar a melhor forma de lidar com a questão, mas a avó homossexual de Ray, Dolly, recusa-se a aceitar a resolução e cria um conflito familiar. Resenha: Este é mais um filme que tenta falar sobre os transgêneros e infelizmente não cumpre com sua tarefa. A questão dos transgêneros, assim como de outras sexualidades ainda se mantém complexos e confusos para boa parte das pessoas. Transsexualidade só não é confuso para quem é. Assim como não é confuso para os pansexuais, assexuais, demisexuais, e tantos outros que não lembro agora.  Precisamos entender que durante muito tempo só existia na cabeça das pessoas, homossexuais, héteros e bissexuais, sendo que  o 3º sempre foi visto como conto da carochin