Pular para o conteúdo principal

(Resenha) A Senhora das Montanhas - Josiane Veiga

Sinopse: Ela não acreditava no amor... A Guardiã de Aquário volta para a Índia após mais de dez anos da luta contra os Youkais. Nas montanhas, ela se depara com outra batalha: a guerra contra a desigualdade social. Mas diante de tanta tristeza, é recompensada com a paixão de um homem sedutor... E muito misterioso. Ele não se importava com o amor... Nicolas Velaz buscou as montanhas indianas com um único objetivo: encontrar a paz que tanto almejava. Todavia, o sossego tão desejado veio em forma de um furacão chamado Live Kamadeva, uma mulher de castas, que não se importava a mínima com regras sociais, e que parecia mexer com cada célula do seu corpo.  


Resenha: 



Sabe aquele ditado “Juntou a fome com a vontade de comer”. Bem, foi isso que eu fiz enquanto lia “A Senhora das Montanhas”.

No ano passado eu conheci o trabalho de duas autoras incríveis: Josiane Veiga e depois (Por influência da própria) Luciane Rangel.

Ambas amam o universo japonês. Mas tem estilos diferentes. Josy gosta de um tema polêmico. Confesso que nunca gostei muito desse tipo de livro, mas depois de ler o que ela escreve, mudei de ideia. Luciane tem um dom para a aventura e comédia. E sua trilogia Guardians preencheu o vazio que Harry Potter deixou no meu coração (É! Eu sou uma Pottermaníaca, mas sou gente boa).

Então quando eu soube que a Josy faria um livro inspirado num dos personagens de Guardians (E não é qualquer um e sim, a Live que eu adoro) fiquei curiosa para ver o resultado.

E fico satisfeita em dizer que não me decepcionei. A Josy conseguiu colocar um pouco do estilo dela junto com o da Luciane. O livro ficou perfeito.

Até me surpreendi ao ler. Josy tem um lado romântico meloso. Acho que todo mundo tem um pouco de meloso. Até eu. Mas o mantenho escondido no armário e apenas em ocasiões especiais ele dá o ar da graça.

Vamos a trama:

Em “A Senhora das Montanhas” vemos a Live (Guardiã de Aquário) já uma mulher de 23 anos, que após se formar em Sociologia, decidi regressar a Índia na intenção de ajudar “Os Intocáveis”. É um grupo de pessoas marginalizado por não possuir “Castas”.

Se você não sabe o que “Castas” significa, tente lembrar da novela “Caminho das Índias”. Eles falavam direto sobre isso. Mas depois de ler o livro, percebi que houve alguns erros por parte da novela.

“Os Intocáveis” são a escória da população. Eles não têm direito a nada, muito menos aos estudos.

Então imaginem a encrenca que a Live arranja ao decidir criar um Centro Educacional só para essa classe. Mas como boa aquariana que é (Depois vou falar mais dos aquarianos) Live está pronta para a briga.

A única pessoa que ela não consegue enfrentar muito bem é um rapaz chamado Nicolas Velaz. Um cara que é o verdadeiro pedaço de mal caminho.

Live se apaixona perdidamente por ele. A paixão é tanta que ela nem consegue raciocinar direito.
Confesso que não gostei muito do Nicolas no início. Oh, carinha nojento! E eu adorei as porradas que ele leva do Maurício.
Aí está outra coisa curiosa do livro. Os aquarianos quase sempre são defendidos  pelos taurinos (E isso é verídico).

Para aqueles que estão com saudade de Guardians, “A Senhora das Montanhas” pode preencher o vazio. Ao menos o meu preencheu.








Comentários

  1. Ahhhhhhhhhhh que lindooooo
    De verdade, amo a criação da Lucy, e fico muito satisfeita de ter sido a primeira autora a homenagiar minha esposa com um livro.

    Espero que os demais fãs de Guardians também gostem da minha obra^^

    ResponderExcluir
  2. Estou louca para ler esse livro, mas muita calma nessa hora, pois preciso de verba. Adoro os livros de Josy e ainda vou compra-lo e conhecer mais a índia. Adoro!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha - Filme: Negação

Título: Negação (Denial)  Elenco: Rachel Weisz, Tom Wilkinson, Timothy Spall e Andrew Scott. Direção: Mick Jackson. Ano: 2016 Sinopse: Deborah Lipstadt é uma conceituada pesquisadora que em seu livro ataca veementemente o historiador David Irving, que prega que o holocausto não existiu e é uma invenção dos judeus para lucrar mais. Julgando-se prejudicado pelo que foi publicado, Irving entra com um processo por difamação contra Deborah. Só que, pelas leis britânicas, em casos do tipo é a ré quem precisa provar a veracidade da acusação. Logo ela se vê em uma disputa judicial que, mais do que envolver dois estudiosos da História, pode colocar em dúvida a morte de milhares de judeus durante a Segunda Guerra Mundial.  Resenha:   Antes de começar a resenha, gostaria de escrever um trecho do filme (Prometo que isso tem um propósito), vamos ao trecho. A Negação do holocausto repousa sobre 4 afirmações básicas. Nº 1 - Que nunca houve qualquer tentativa sistemát

(Resenha) Contando Estrelas - Luciane Rangel

  Título: Contando Estrelas. Autora: Luciane Rangel. Páginas: 264. Editora: Qualis. Sinopse: A ideia de um trabalho voluntário nunca passou pela cabeça de Elisa. Na verdade, era algo que ela jamais faria, não fosse essa uma exigência louca de uma das professoras da escola. O trabalho em dupla poderia ter sido com uma de suas amigas ou com o lindo do Miguel... Mas quis o destino, e o sorteio feito pelas mãos da professora, que o escolhido para ser seu par fosse o aluno novato da turma, um sujeito meio esquisito, calado, e que passava os intervalos das aulas no estranho hobby de dobrar estrelas de papel, como se elas tivessem algum significado. Mal sabia ela que o trabalho realizado em um hospital infantil, junto à companhia do “esquisitão”, fosse acrescentar muito mais à sua vida do que as aulas do colégio. Ele parecia enxergar nas pessoas muito além do que olhos comuns poderiam ver, e suas estrelas pareciam fazer parte de algo maior do que um simples hobby. Algum tipo de missão, um ta

(Resenha) Filme - Meu Nome é Ray

Título: Meu Nome é Ray. Elenco: Elle Fanning, Naomi Watts, Susan Sarandon, Sam Trammel e Linda Emond.  Direção: Gaby Dellal. Ano: 2015. Sinopse: Ray nasceu mulher, mas nunca se identificou com o gênero e se prepara para fazer a cirurgia de redesignação de gênero. Sua mãe Maggie, tenta encontrar a melhor forma de lidar com a questão, mas a avó homossexual de Ray, Dolly, recusa-se a aceitar a resolução e cria um conflito familiar. Resenha: Este é mais um filme que tenta falar sobre os transgêneros e infelizmente não cumpre com sua tarefa. A questão dos transgêneros, assim como de outras sexualidades ainda se mantém complexos e confusos para boa parte das pessoas. Transsexualidade só não é confuso para quem é. Assim como não é confuso para os pansexuais, assexuais, demisexuais, e tantos outros que não lembro agora.  Precisamos entender que durante muito tempo só existia na cabeça das pessoas, homossexuais, héteros e bissexuais, sendo que  o 3º sempre foi visto como conto da carochin